Siga-me

quarta-feira, 9 de julho de 2014

A Heresia da "GRAÇOLATRIA"


A Heresia da "GRAÇOLATRIA"

Hodiernamente, assim como a “teologia” da prosperidade, a qual tornou-se em idolatria da prosperidade, está muito em moda, mensagens e postagens na internet sobre a doutrina da graça de DEUS – até que ótimo.


Contudo, “muitos” estão pregando sobre “a graça de DEUS”, inclusive, pasmem, católicos e Adventistas do 7º Dia.


Até aí nada de novo no mundo das heresias.


Todavia, há algo novo no ar: a “graçolatria”, ou idolatria da graça de DEUS, e esta tem vindo justamente de onde não deveria: de alguns grupos e denominações de cristãos-protestantes-ortodoxos-reformados.
A heresia da “graçolatria” começa quando se atribui a graça de DEUS, considerações excessivas e/ou atributos de personalidade ou de “substância etérea”, ou alguma coisa, que por ser mais legitima e eficaz seria superior ao próprio Senhor Jesus Cristo, capaz de magicamente ser controlada por determinados grupos radicais (diga-se identificados com alguns grupos protestantes históricos), onde crer na graça é algo igual ou superior que crer em Jesus Cristo, “onde somente eleitos creriam na graça, enquanto qualquer um pode crer em Jesus Cristo, ou seja, como até o diabo crê em Cristo, e nada acontece de novo no mesmo, então, “crer na graça” seria superior a crer em Cristo, uma vez que somente os predestinados o fazem”. Muito esquisito não?! Com certeza!
A graça de DEUS, pura e simples, não é uma substância (então não pode ser manipulada), não é uma doutrina (embora haja a doutrina da Graça de DEUS), todavia, é uma atitude de DEUS perante suas criaturas (claro que perante suas criaturas, pois DEUS não precisa de Sua própria graça). A graça de DEUS é vista em toda Criação, porém, seus ENSINOS ESCRITOS INSPIRADOS pelo Espírito Santo de DEUS, somente estão na BÍBLIA Sagrada, e é lá que são claramente vistos. Entretanto, os mesmos ensinos bíblicos certamente podem ser explanados, meditados, concatenados, aprendidos, discutidos, ensinados, pregados, e afins, através dos escritos de homens tais como Lutero, Zwínglio, Calvino, John Wesley, Jonathan Edwards, Charles Spurgeon, Norman L. Geisler, Vincent Cheung, ou mesmos dos escritos de célebres irmãos anteriores a esses mesmos, tais como Irineu de Lion, Atanásio, Aurélio Agostinho, por exemplo.
Porém, tais escritos (luteranos, ou calvinistas, ou spurgeanos – por exemplo) sobre a graça de DEUS, ainda que muito abençoadores não possuem status de Inspirados pelo Espírito Santo de DEUS. Portanto, atribuir capacidade redentora e salvífica a crença na graça, ou conferir o status de Inspiração Divina aos escritos sobre doutrina da graça de DEUS a qualquer ser humano diferente daqueles que foram os hagiógrafos (escritores “santos”, por exemplo, profetas e apóstolos da Bíblia) inspirados por DEUS, encontrados no Cânon Sagrado (BÍBLIA) é o mesmo que “graçolatria”, é pura heresia, e repudiamos tal ideia. Repetimos: da mesma forma, assim como nós cristãos protestantes-ortodoxos-reformados repudiamos a doutrina da infalibilidade papal e a autoridade e infalibilidade da Tradição da ICAR, repudiamos da mesma forma a ideia que confere a qualquer documento ou ser humano o mesmo status de infalibilidade, pois infalível é somente DEUS e a Sua BÍBLIA.

A Igreja de Cristo não tem papas e ela não vai cm esse papo!

Que DEUS nos use e abençoe rica e abundantemente nos serviços do Reino.
Em Cristo, 
MArcelo Gesta

CATÓLICOS estão dizendo que a BÍBLIA é a PALAVRA de DEUS E PROTESTANTES estão afirmando que as Tradições Protestantes e Escritos Reformados têm a mesma Autoridade da BÍBLIA - pasmem...


CATÓLICOS estão dizendo que a BÍBLIA é a PALAVRA de DEUS e PROTESTANTES estão afirmando que as Tradições Protestantes e Escritos Reformados têm a mesma Autoridade da BÍBLIA - pasmem...

Há muito tempo, por exemplo, a Igreja Católica Apostólica Romana (ICAR) considera, e proclama, no mesmo nível de autoridade, não somente as Escrituras Sagradas (Bíblia) – que por muito tempo teve a própria leitura proibida pela mesma instituição religiosa – mas, também, a infalibilidade Papal e a, famosa “Tradição da Igreja” (diga-se a que se refere à ICAR). Por muitos séculos a ICAR não só proibiu como chegou a matar quem se atrevesse ler, “publicar”, interpretar ou mesmo pregar as Escrituras Sagradas sem a visão ou a permissão papal. Estes foram, inclusive, alguns dos pretextos das Reformas Cristãs, que também não começam com Lutero, nem com Eurico Zwínglio (o único reformador radical, o qual “deixou toda a estrutura da reforma montada” para Calvino), nem com Calvino, mas com grupos, como por exemplo: Anabatistas, Petrobrucianos, ou mesmo indivíduos como Pedro Valdo, John Huss, John Wicliff, dentre tantos. Somente os reformadores (de todos os séculos, e não somente dos séculos XV, XVI, e XVII) e protestantes proclamavam o retorno às Escrituras Sagradas, bem como sua Eterna e Infalível veracidade e Inspiração Divina.


Muito posteriormente, o Concílio Vaticano II, prototipicamente, trouxe mudanças profundas nas relações entre a ICAR e as demais Igrejas Cristãs (digam-se Ortodoxas e Protestantes). Algumas destas grandes mudanças foram, pasmem:

   O conselho da leitura da BÍBLIA – “coisa de protestante”;
   A participação dos leigos (diga-se os que não são ordenados ao sacerdócio), em virtude dos mesmos serem “povo de DEUS” – “coisa de protestante, pois são os que reafirmam o sacerdócio de todos os crentes”;
   Os protestantes foram descritos como irmãos separados, e não mais como hereges, ou cismáticos – “coisa que alguns protestantes andam anunciando por aí”;
   * “AGORA, ATENÇÃO! A Bíblia e a Tradição foram vinculadas de uma nova maneira, ao serem consideradas como a expressão uma do Espírito Santo.” – “coisa que alguns protestantes estão proclamando por aí e nos estão deixando atônitos”.




Aqui se encontram nosso apreço em notar que a ICAR esteja pretendendo ter mais interatividade com a Bíblia do que com bulas papais, porém nossa indignação, em perceber que cristãos protestantes estão errando naquilo que a ICAR está parando de errar, ou seja, em atribuir divindade ilegítima naquilo e naqueles que não são legítimos. Pois quando se afirma, por aí, por exemplo, que os escritos de Lutero ou Calvino têm a mesma autoridade da BÍBLIA, estão afirmando com isso, da mesma forma que a ICAR, que as tradições e escritos protestantes têm a mesma autoridade da BÍBLIA – o que é luciférica heresia.

OBSERVAÇÃO: Este não é uma apologia ao Catolicismo Romano e muito menos uma descrédito ao Protestantismo e de todas as coisas maravilhosas que o mesmo (protestantismo, pietismo, puritanismo) trouxe a humanidade mundial. Porém, é uma advertência à sua reflexão.

ESCRITURAS SAGRADAS


ESCRITURAS SAGRADAS - capítulo 1 da Declaração Doutrinária dos Batistas da CBB


     
A Bíblia é a Palavra de Deus em linguagem humana (1).
     É o registro da revelação que Deus fez de si mesmo aos homens (2).
     Sendo Deus seu verdadeiro autor, foi escrita por homens inspirados e dirigidos pelo Espírito Santo (3).
     Tem por finalidade revelar os propósitos de Deus, levar os pecadores à salvação, edificar os crentes e promover a glória de Deus (4).
     Seu conteúdo é a verdade, sem mescla de erro e por isso é um perfeito tesouro de instrução divina (5).
     Revela o destino final do mundo e os critérios pelos quais Deus julgará todos os homens (6).
     A Bíblia é autoridade única em matéria de religião, fiel padrão pelo qual devem ser aferidas a doutrina e a conduta dos homens (7).
     Ela deve ser interpretada sempre à luz da pessoa e dos ensinos de Jesus Cristo (8). 

(1) Sl 119.89; Hb 1.1; Is 40.8; Mt 24.35; Lc 24.44,45; Jo 10.35; Rm 3.2; I Pe 1.25; I Pe 1.21.
(2) Is 40.8; Mt 22.29; Hb 1.1,2; Mt 24.35; Lc 24.44,45; 16.29; Rm 16.25,26; I Pe 1.25.
(3) Ex 24.4; II Sm 23.2; At 3.21; II Pe 1.21.
(4) Lc 16.29; Rm 1.16; II Tm 3.16,17; I Pe 2.2; Hb 4.12; Ef 6.17; Rm 15.4
(5) Sl 19.7-9; Sl 119.105; Pv 30.5; Jo 10.35; 17.17; Rm 3.4; 15.4; II Tm 3.15-17.
(6) Jo 12.47.48; Rm 2.12,13.
(7) II Cr 24.19; Sl 19.7-9; Is 34.16; Mt 5.17,18; Is 8.20; At 17.11; Gl 6.16; Fp 3.16; II Tm 1.13
.
(8) Lc 24.44,45; Mt 5.22,28,32,34,39; 17.5; 11.29,30; Jo 5.39, 40; Hb 1.1,2; Jo 1.1,2,14.

SOMENTE A BÍBLIA SAGRADA É PALAVRA ESCRITA INSPIRADA POR DEUS!


Muito tem me chamado a atenção, e de forma negativa, ver declarações de irmãos protestantes históricos, declarando que as palavras e/ou escritos de certos autores – consideradas hodiernamente como verdadeiras celebridades – seriam, da mesma forma que a BÍBLIA SAGRADA, palavras inspiradas por DEUS.
Ora se os mesmos tem alta consideração e estima por um dos pilares do credo reformado, ou seja, a Sola Scripttura (Somente as Escrituras), então como outorgar o status de revelação e/ou palavras inspiradas por DEUS aos, por exemplo, sobre modo bem-vindos, escritos de Lutero e de Calvino?
Obviamente Lutero e Calvino, arquetipicamente ou de modo algum, não são inspirados por DEUS, embora entendamos que os mesmos possam em muito terem sido iluminados pelo Espírito Santo, e ainda sim não de todo, como muitos outros seres humanos (como por exemplo: Billy Graham, John Piper, Davi Miranda [EBAR]), foram usados por DEUS na edificação de sua igreja.
Também asseveramos (pasmem, nunca pensei que tivesse que reafirmar isso para crentes) que não são Inspiradas por DEUS nenhuma outra escritura e/ou documento tais como: declarações doutrinárias, embora possam ter iluminação de DEUS na compilação das mesmas, diga-se: 5 solas, ou declarações doutrinárias batista, presbiteriana, metodistas, hinários, jornais, periódicos cristãos e afins.

SOMENTE A BÍBLIA SAGRADA É PALAVRA ESCRITA INSPIRADA POR DEUS!

Que DEUS nos use abençoe rica e abundantemente nos serviços do Reino.
Att. Marcelo Gesta